domingo, 30 de março de 2014

Blogagem Coletiva - 12 mudanças para as famílias viajarem mais pelo Brasil

Hoje estamos participando da blogagem coletiva proposta pela Adriana Pasello do blog Diário de Viagem, no nosso grupo de Viagens em Família, sobre mudanças que poderiam ser feitas para facilitar o turismo das famílias com crianças no Brasil. Espero que os profissionais de turimos leiam atentamente as opiniões das famílias que viajam! Há muito o que ser melhorado e ao contrário do que pensam nem tudo precisa de um grande investimento.

Como vocês sabem morei muitos anos na França, tive meus 2 filhos lá e confesso que não tenho muita experiência para falar sobre as mudanças que o Brasil precisa no quesito turismo. Mas viajamos bastante com as crianças pela França e outros países europeus e vou citar as idéias bacanas que ajudaram bastante (ou atrapalharam) as nossas andanças.



* A Andréa, que já morou na Africa e agora mora em Paris, colaborou em alguns itens!

1) Espaço kids nos aeroportos
Em alguns aeroportos já existem espaços para a garotada brincar, correr e gastar energia enquanto esperamos o embarque. Excelente para as crianças que se divertem, para os pais que tem um momento de descanso antes de encarar horas de vôo e também para os outros passageiros pois os pequenos chegam cansados no avião e dormem mais rápido. :) Pelo menos com os nossos pequenos é tiro e queda!

Não é preciso nenhum grande investimento, nem brinquedos mirabolantes! Alguns m2, um pouco de espaço para correr, piso emborrachado, de preferência com brinquedos que sirvam para gastar energia e fazer as crianças se movimentarem bastante. Este espaço pode ser patrocinado por marcas/lojas de brinquedos ou parques temáticos locais. Na Europa conhecemos os espaços kids do aeroporto Charles de Gaulle (Paris) e no aeroporto de Stockholm, Suécia.

Espaço kids no aeroporto Charles de Gaulle, Paris com o tema Cars

Espaço Kids no aeroporto de Stockholm

2) Check-in antecipado para famílias com crianças menores de 2 anos
A reserva e o check-in para famílias com crianças e sobretudo as menores de 2 anos ainda é confuso, muitas vezes não é permitido fazer o check-in antecipado e vira e mexe acabamos tendo que negociar os assentos no voo com os outros passageiros para podermos ficar todos juntos.

Viajar com criança pequena exige muita organização e as companias aéreas podiam colaborar um pouco mais!

3) Menu infantil nos vôos 
Algumas companias aéreas, como a Air France, oferecem um menu especial para as crianças e ainda as servem antes dos outros passageiros. Isso deveria ser padrão para todas as empresas!

Um agrado que muitas companhias fazem é um kit com brincadeiras para as crianças. Esse tipo de mimo não é caro e faz o maior sucesso com os pequenos!

4) Empresas de aluguel de equipamentos para bebês
Quanto menor o bebê mais tralha precisamos carregar não é mesmo? Para facilitar a vida dos pais e não precisar carregar a casa inteira a cada viagem, uma solução é alugar o equipamento para o bebê: carrinho de bebê, berço, esterelizadores, cadeirinha para carro, banheira e tudo o mais que for necessário para que tenhamos todo o conforto de casa. Isso é bastante comum nos EUA e está começando a se popularizar na Europa também.  Eu já usei o serviço em Copenhagen, Dinamarca, para alugar um carrinho de bebê e foi ótimo (vira e mexe temos problemas ao despachar o carrinho de bebê). Em Paris há algumas empresas que oferecem o serviço como o baby'tems.

Já encontrei serviços similares no Brasil mas achei o preço tão caro que não compensava. Alugar um item por 1 semana pagando quase o preço de um novo não vale a pena! Empresas de aluguel: fiquem atentas, não é assim que vocês vão popularizar este tipo de serviço no Brasil. #ficaadica

5) Hotéis com comodidades para as famílias
Na excelente lista do Viaje na Viagem dos 10 itens que todo hotel deveria oferecer a seus hóspedes eu acrescentaria comodidades para as famílias com bebês. Acredito que a grande maioria possui berços e cozinha disponível para esquentar mamadeiras ou papinha mas seria ótimo ter itens como barreira de proteção portátil para os pequenos que já dormem na cama, cantinho de brinquedos no saguão ou salão do café da manhã. Para não precisar fazer grandes investimentos com os equipamentos de bebês, que são caros, o hotel pode fazer parcerias com empresas de aluguel destes produtos.

E os quartos para família? No Brasil não sei mas na Europa é tão difícil encontrar! E olha que nem estou falando aqui de uma família com 5 crianças mas apenas 1 casal e 2 crianças já é uma enorme dificuldade.

Outra comodidade é a comida do bebê. Hoje em dia existem pequenas empresas que fazem e entregam comida fresquinha para bebês. Os hotéis poderiam fazer parcerias com estas empresas e propor o serviço ao hóspede.

Os hotéis 3* pra cima poderiam oferecer algum agradinho para os pequenos hóspedes como um kit de boas vindas, por exemplo. Todo cliente adora mimos!

6) Roteiro infantil para visitas à museus ou outras atrações turísticas
Na Europa é muito comum vermos famílias com crianças ou mesmo classes inteiras de escola visitando museus de arte e igrejas. Desde cedo os pequenos são acostumados a apreciar a arte e aprendem a se comportar nestes lugares. Em muitos museus europeus temos mini-roteiros em forma de folhetos contando um pouco da história das principais obras de maneira lúdica e/ou com joguinhos ou quiz nas últimas páginas para fixar o que viram na exposição. Há muitos museus que também propõe workshops sobre temas ligados às obras do museu. As visitas se tornam muito mais interessantes para os pequenos e os museus deixam de ser passeios "chatos" e "para adultos".

Acho inclusive que todas as atrações turísticas, independente de ser um museu, igreja ou castelo, onde a visita de crianças é permitida deveria dar uma atenção maior ao público infantil.

Workshop para crianças a partir de 3 anos no Centre George Pompidou

7) Facilidades nos restaurantes
Pelo que vejo pelo menos aqui em São Paulo é bem comum termos cadeirões e trocadores à disposição nos restaurantes, ao contrário de Paris. Não sei como é no restante do Brasil mas a meu ver isto deveria ser obrigatório em qualquer restaurante que receba famílias. Aliás, os trocadores deviam sempre existir em qualquer museu ou castelo, tanto no banheiro feminino quanto no masculino! Nos locais mais bacaninhas seria simpático deixar lenços umedecidos à disposição e reservar um espaço tranquilo onde a mamãe possa amamentar.

Outra coisa que facilita muito a vida das famílias é um cantinho de brinquedos no restaurante. Não precisa ser nada muito elaborado, nem ter monitor, nem nada. Um cantinho com alguns brinquedinhos, uma mesa com folhas, giz de cera, e a garotada já tem com o que se distrair enquanto os pais conseguem comer.

Placa para o banheiro em Stockholm, Suécia: trocadores nos banheiros feminino e masculino

Os próximos itens tem muito mais a ver com a infra-estrutura da cidade do que com o turismo propriamente dito. São melhorias necessárias que beneficiariam toda a população e consequentemente para todos os visitantes da cidade. Uma cidade agradável de morar e de se locomover é também uma cidade agradável para fazer turismo. Se houvesse maior vontade política e menos roubalheira certamente teríamos cidades mais agradáveis para viver e mais atrativas para os turistas!

8) Parquinhos espalhados pela cidade
Como seria bom que as nossas cidades tivessem parquinhos bacanas espalhados por todos os lugares! Não apenas parquinhos com playground mas também mais áreas verdes!

Noto que nas grandes cidades brasileiras as pessoas tem a tendência cada vez maior de se fechar em suas próprias casas, condomínios e shoppings por conta da rotina corrida, da falta de segurança e claro da falta de opções. Uma vez eu contei quantos parquinhos tinha perto da minha casa em Paris. Em um raio de aproximadamente 1km e contei 10 parquinhos! Todos em excelente estado, com piso emborrachado, brinquedos originais e para todas as idades e com a área cercada por pequenas grades para maior segurança.

Já onde moro agora em São Paulo, em um bairro de classe média, conto 3 parquinhos próximos: os 3 em pequenas praças com mato sempre alto, 2 ou 3 brinquedos sem graça e em mau estado de conservação e nenhuma grade em volta (um perigo para os pequenos que podem correr em direção à rua). Por outro lado vejo sempre as crianças brincando nos aparelhos de ginástica para a 3° idade, que são modernos, em bom estado de conservação e mais numerosos. Por quê os pequenos não podem ter acesso a parquinhos bacanas? Porque eles não costumam frequentar os parques? Se os parquinhos fossem melhores, será que as famílias e babás não iriam frequentá-los mais? E o melhor de tudo: poderíamos conhecer nossos vizinhos e promover uma maior integração entre a comunidade. Todo mundo sairia ganhando.

Vocês devem estar se perguntando por quê incluí os parquinhos na lista de coisas legais para o turismo! Ora, os parquinhos fazem parte de qualquer roteiro em viagens com crianças pela Europa. Anda-se muito pelas cidades e os parquinhos são um oásis para toda a família para uma pausa no corre-corre do roteiro para a criançada se divertir um pouco. As viagens mais fáceis que fizemos com as crianças foram em cidades que ofereciam lazer ao ar livre ao longo do passeio.

Um dos inúmeros parquinhos em Paris

Parc de Bercy, em Paris, um dos vários jardins da cidade

9) Mobilidade com carrinho de bebê
Aqui vai mais um item que beneficiaria tanto a população quanto o turista: facilitar a mobilidade das famílias com carrinhos de bebê, que de quebra também melhoraria substancialmente a vida dos idosos e pessoas com dificuldade de locomoção. Este item requer um investimento alto e há muito o que ser feito para melhorar a vida das pessoas nas cidades brasileiras: calçadas com rampas, sem buracos, respeito à faixa de pedestres, sinais para pedestres (muitas vezes há sinal só para os carros), elevadores nas estações de metrô etc etc etc..... E bota etcetera nisso!

Aqui no Brasil, optamos por morar perto da escola e do metrô, ir ao trabalho de transporte público e usamos carro somente nos finais de semana. Então com 2 pequenos menores que 5 anos, o carrinho de bebê é fundamental no nosso dia a dia. Em menos de 2 meses em solo brasileiro o nosso carrinho já precisou ir para o conserto. Todos os dias é um rally para chegar até a escola. Humpf.

10) Transporte público de qualidade e com boa acessibilidade
Neste ponto é nítida a diferença que sentimos em relação à Europa: nas cidades européias a mobilidade urbana é infinitamente mais fácil. Em Paris estamos sempre a menos e 500m de uma estação de metrô.

Vivemos 8 anos em Paris sem carro, sendo que 4 anos com criança e fazíamos TUDO a pé e de transporte público. É fácil andar pela cidade com carrinho, as calçadas são ótimas, há rampas, a única dificuldade que tínhamos era no metrô de Paris que tem pouquíssimas estações com elevadores ou escadas rolantes. Quando eu estava sozinha com as crianças eu usava o ônibus. Pelo menos eu tinha alternativas.

Já aqui em São Paulo noto que as estações são mais modernas, limpas e há quase sempre um elevador disponível, mas a rede é muito pequena para o tamanho da cidade e não comporta o fluxo dos usuários. Nos horários de pico é impossível entrar com um carrinho de bebê!

Mapa do metrô e trem de Paris (note que Paris é beeeeem menor que São Paulo e Rio de Janeiro)

11) Estrutura da estrada, aeroportos, falta de trem
Vamos combinar: viajar pelo Brasil não é nada fácil. Estradas em péssimas condições, mal sinalizadas, perigosas, aeroportos caóticos, trânsito infernal nas cidades. É lamentável que não tenha sido feito investimento na rede ferroviária. É tão mais fácil e seguro viajar de trem! Essa é uma das coisas que mais vou sentir falta.

No Carnaval fiquei impressionada porque quase todo mundo que conheço não viajou. As pessoas não tem mais saco de viajar nos feriadões e encarar todo o tumulto. Muitos, que antes viajavam, preferem aproveitar o sossego da cidade durante o feriadão e procuram programar suas férias para fora de temporada.

12) E por fim: os preços do turismo no Brasil
Ainda não viajo muito pelo Brasil (acabei de retornar) mas sempre acompanho as famílias reclamando do preço das viagens no Brasil, tanto das passagens quanto dos hotéis. Cansei de ver gente que opta por uma viagem ao exterior ao invés de viajar pelo Brasil, simplesmente porque é mais barato. Exemplo: conheço pouquíssimos brasileiros que conhecem a Floresta Amazônica. Falta de vontade? Duvido. O preço é exorbitante e o foco deles são os turistas americanos e europeus. Sério, gente: como pode ser mais barato ir para o exterior do que viajar no próprio país? Não sou experte no assunto mas vejo algo muito errado aí.

Na França viajávamos bastante em família. Não vou dizer que era super barato viajar mas existiam muitas opções de empresas low-cost, promoções, aluguel de apartamentos e tudo era mais barato se organizado com antecedência. Viajar é acessível à toda a população, não apenas porque os salários são mais justos mas também porque os preços são mais competitivos. Uma grande amiga minha, divorciada, 2 filhas, com um salário de 1 salário mínimo viajava 2 vezes por ano, sendo que 1 viagem era para o exterior!

                             ***************************************

Vou parar por aqui para não me alongar ainda mais! Mas ainda falta muito para o Brasil ter uma infra-estrutura turística de primeiro mundo. Potencial a gente tem mas é preciso investir.

Leia também os outros blogs participando da blogagem:




4. Claudia Rodrigues  - Felipe, o pequeno viajante: 

5. Andreza Trivillin  - Andreza Dica e Indica Disney: 

6. Thyl Guerra - Viajando com Palavras:




11. Márcia Tanikawa - Os Caminhantes Ogrotur: http://oscaminhantes.com/2014/03/queremos-viajar-mais-pelo-brasil.html

12. Karen Schubert Reimer - As Aventuras da Ellerim Viajante
 http://ellerimviajante.com.br/2014/03/10-mudancas-para-as-familias-viajarem-mais-pelo-brasil-blogagem-coletiva.html

13. Thiago Cesar Busarello - Vida de Turistahttp://www.vidadeturista.com/artigos/10-mudancas-para-familias-viajarem-mais-pelo-brasil/

14- Regeane Nicaretta- Dicas da Rege
http://dicasdarege.com/2014/03/30/florianopolis-melhor/

15 - Debora Godoy Segnini - Gosto e Pronto:http://www.gostoepronto.com/2014/03/blogagem-coletiva-10-mudancas-para-viajar-mais-pelo-brasil/

16- Erica Piros Kovacs - Viagem com Gêmeos:http://viagemcomgemeos.com/2014/03/30/blogagem-coletiva-10-mudancas-para-as-familias-viajarem-mais-pelo-brasil/

17 - Francine Agnoletto - Viagens que Sonhamos
http://www.viagensquesonhamos.blogspot.com.br/2014/03/mudancas-para-viajarmos-mais-pelo-brasil.html

18 - Sut-Mie Guibert- Viajando com Pimpolhos:http://viajandocompimpolhos.com/2014/03/30/blogagem-coletiva-10-mudancas-para-as-familias-viajarem-mais-pelo-brasil/

19 - Ana Cintia Cassab Heilborn - Travel Book Blog:
http://www.travelbook.blog.br/2014/03/10-mudancas-para-as-familias-viajarem.html

20 - Flávia Maciel - Bebê Pelo Mundo
http://bebepelomundo.blogspot.com.br/2014/03/blogagem-coletiva-mudancas-para-as.html

21 - Claudia Bins - Mosaicos do Sul
http://mosaicosdosul.blogspot.com.br/2014/03/mudancas-para-as-familias-viajarem-mais.html

22 - Patrícia Tabalipa - Roteiro Baby Floripa
http://www.roteirobabyfloripa.com.br/2014/03/blogagem-coletiva-10-mudancas-para-as.html

23. Andrea Almeida Barros - Do RS para o Mundo:
http://dorsparaomundo.blogspot.com.br/2014/03/4-blogagem-coletiva-do-grupo-viagens-em.html

24. Patrícia Papp - Coisas de Mãe:
http://coisasdemae.wordpress.com/2014/03/30/mudancas-familia-viajar-brasil/

3 comentários:

Adriana Pasello disse...

Interessante como temos muitos itens em comum! Todos os blogs são muito semelhantes em suas colocações e os motivos são óbvios. Dos que eu li até o momento, você foi a primeira que ressaltou a questão do gerenciamento do check-in para famílias com crianças. Realmente, a coisa é confusa demais e ter que sempre negociar com os outros passageiros é desgastante.
Apesar de tudo, nós ainda #queremosviajarpeloBrasil !!!

Patricia Tayão disse...

Adélia, a questão dos aeroportos no Brasil foi unânime (pelo menos nos posts que li até agora, todos reclamando da falta de estrutura; no Galeão faltam escadas rolantes, ar condicionado, os elevadores muitas vezes não funcionam, preços das lanchonetes nas alturas, imagina se vão pensar em espaço para as crianças brincarem! Coisa para daqui a cem anos. Mas que seria bom, seria!

Susana Spotti disse...

Tudo que abordamos precisa ser levado em consideração. Afinal nossos post foram unânimes em atribuir os "defeitos" que perpetuam nos aeroportos daqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...